domingo, 23 de janeiro de 2011

Medo.

Eu tenho tanto medo. Da vida, sei lá. Estou perdida. E a vida anda tão esquisita, desconhecida. Olho para os lados e reconheço muito pouca coisa. Aquela jarra que você quebrou quando chegou aqui, acho que ainda consigo ver alguns cacos de porcelana pelo chão. E eu estou perdida. Com medo de machucar de novo meus pés, tão desprotegidos, nesse estrago seu. Tenho medo de te deixar para trás, porque não quero. Sentirei saudades. E tenho medo de ir para frente, e não encontrar mais nada que me comova. Ou de encontrar algo que me comova. Vá entender. Mas o maior medo é de ficar parada. Ficar quieta, sem você ao lado, e sem conseguir sair de perto. Meu coração está machucado de feridas que discordam da razão. Me machuquei antes de ferir-me. E eu amo você. Mesmo com todo o descaso. Mesmo com os abraços, e os beijos, e todas as complicações. E todos as pessoas mandando-me largar-te. E eu largo. Eu obedeço. Mas é que na minha vida tão cheia de mundos virtuais, eu consigo imaginar eu e você, dando certo. Porque acredito ser capaz. Capaz de suportar tudo. E nada, já que na verdade, tudo não existiu. E aí, meu bem, eu estremeço com seu nome. E eu te queria na cama. Te queria na cama só mais uma vez, pelo menos por enquanto. Eu só queria que você me admitisse, se é que verdade, que foi especial. Porque eu tenho medo da desimportância. Não desejo que morra de amores por mim. Só desejo saber. Saber o que sentes, para que eu pare de imaginar. E eu sei quem é você. Te reconheci no primeiro olhar. E tem tanta coisa em ti que queria que me fossem presenteadas. Nessa minha casa de base frágil, esgoto mal-instalado, e muito bem decorada. Em meio a tantos outros amantes, meus e seus, que também me quebram e me encantam, é seu olhar que ainda me atinge, que me faz escrever. Nessa noite em que seus olhos estão tão longe dos meus.

2 comentários:

Gustavo disse...

Cuidado com o caos e destruição causados pelo sentimento, medo...

Pedro Alcântara disse...

O medo alimenta sonhos. Tenha-os.